Uma canção chamada Mobral

Mu Chebabi

mu_chebabi_gdeEu comecei a fazer uma música em casa, com melodia e harmonia um pouco mais sofisticadas do que as outras que tínhamos no repertório para o primeiro disco do Casseta & Planeta. Eu tinha marcado com Hubert e Reinaldo de ir a redação do Planeta Diário pra gente fazer mais uma canção. Não sei ao certo se Hubert e Reinaldo já tinham começado a escrever a letra ou não. O certo é que nunca na história desse Planeta se fez uma canção de amor com metáforas e imagens tão safadas e românticas (se alguém fez, que se defenda!).

Saí de lá orgulhoso com a canção, que levou o título de Mobral. Mas quando o Nico Rezende chegou com o arranjo no estúdio Nas Nuvens, eu fiquei chapado. Pra quem não sabe, Nico é um músico completo. Além de compor canções maravilhosas, que estão aí até agora, sendo regravadas, atravessando o tempo com um corpinho de 18 aninhos, ele já era um arranjador cuidadoso e cheio de experiência.

O maior legado que o Comendador deixou pra mim foram os amigos. Fossem só grandes amigos, já seria ótimo, mas além disso ele me apresentou a grandes músicos. Toda a escolha dos arranjadores e músicos do LP Preto Com Um Buraco no Meio foi primorosa e garantiu o ótimo resultado desse disco.

Um dia uma cigana, lendo as cartas pra mim, disse que um dia apareceria um cara mais velho e que me ajudaria muito. Que seria um marco. Deve ter sido o Comendador. Se não era dele que a cigana falava, não será mais ninguém, até por que agora tá difícil encontrar alguém mais velho que eu e a cigana não vai devolver meu dinheiro.

………………………………………………………………………………………………………………………..

cd preto cbnmE vocês vão ouvir agora Mobral, composição de Mu Chebabi, Hubert e Reinaldo. Gravada em 1988 no LP Preto Com um Buraco no Meio, produzido por Paulinho Albuquerque. O arranjo é de Nico Rezende, que também pilotou os teclados. No baixo, Arthur Maia. Quem canta é Mu Chebabi e o recitativo na introdução é do Hubert. (Para quem chegou agora, é bom lembrar que Mobral – Movimento Brasileiro de Alfabetização – era um programa de alfabetização para adultos que existiu nos anos 60/70).  Som na caixa…

Anúncios

A primeira faixa do primeiro disco

Reinaldo

Um dia Paulinho Albuquerque teve a idéia de juntar a Casseta Popular e o Planeta Diário num show de humor ao vivo, no palco do Jazzmania. Na época, ele era responsável pela programação da – hoje extinta – casa de shows em Ipanema. E nós, do Planeta e da Casseta, só fazíamos o jornal, a revista e éramos roteiristas do TV Pirata. A idéia do show, a princípio, pareceu meio absurda e sem sentido, já que todo mundo no grupo era redator e não ator… Mas o Paulinho tinha faro, intuição e era um cara muito ligado em humor (ele tinha uma coleção enorme de videos,em VHS, do Monty Python e outros craques do humor internacional).

Naquele tempo ele não conhecia nenhum de nós pessoalmente, mas conhecia o irmão do Marcelo Madureira, o Manfredo, que trabalhava também com produção musical. O Paulinho pediu pro Manfredo marcar uma reunião com todo mundo e aí pintou a idéia do show de humor musical. O Claudio Manoel convocou Mu Chebabi para botar música nas letras, o Bussunda achou que seria uma boa imitar o Tim Maia, o Hubert inventou o Paulo Francis cantando Garota de Ipanema e a coisa foi começando a tomar forma.

Resumindo a história: o show, chamado “Eu Vou Tirar Você Deste Lugar” ficou em cartaz no Jazzmania, às segundas-feiras, de abril a junho de 1988. Todo mundo foi lá, tout Riô , como diriam os franceses. Até o Boni foi e, depois de ver o show, achou que os caras da Casseta e do Planeta podiam aparecer na frente das câmeras. Depois disso, vieram outros shows e três discos (um LP e dois CDs), tudo com a direção do Paulinho. Mas o que eu queria mostrar aqui é a primeira faixa do primeiro disco, o LP “Preto com um Buraco no Meio”. No início da faixa, ouçam o diálogo entre Paulinho Albuquerque e Bussunda.

A música é “Mãe é Mãe”, de Bussunda e Mu Chebabi. A bela canção, um funk no estilo Tim Maia, é o desabafo desesperado de um namorado infeliz, ferido no seu orgulho de macho, depois de levar um pé na bunda.

E olha só o time que o Paulinho convocou para esta faixa:  Leo Gandelman (sax barítono e arranjo), Bidinho (trompete), Zé Carlos Bigorna (sax alto), Serginho Trombone, William Magalhães (teclados), Torcuato Mariano (guitarra), Fernando Souza (baixo) , Claudio Infante (bateria) e Armando Marçal (percussão). No vocal, Claudio Manoel e Bussunda. Clica aí…