50 tons de negro

Durante a gravação do LP Negro Mesmo. Dairzinho, Ovídio Brito e Paulinho Albuquerque. Foto de Mello Menezes

Durante a gravação do LP Negro Mesmo, de Nei Lopes, em 1983 : Dairzinho (cavaco e baixo elétrico), Ovídio Brito (cuíca e percussão em geral) e Paulinho Albuquerque . A foto é de Mello Menezes.

E aqui vai pra vocês mais uma faixa do disco do Nei Lopes, Negro Mesmo, onde ele gravou composições em vários estilos de música negra mesmo, como a xiba, o jongo e o lundu…Este aí é o Lundu Chorado, composição do Nei. É um lundu sensual, uma  espécie de “Esse Cara sou Eu” no tempo do império e da escravidão…O tema da música é a Senhora da fazenda, a Sinhá, dando mole para o neguinho que, por sua vez, deixa claro que não topa ser cativo do Senhor, só da Sinhá. A produção do disco foi do Paulinho Albuquerque e os músicos nesta faixa são: Rogério Rossini (violão e viola) , Leonardo Bruno (violão e vocal) e Pirulito (claves e afoxé). Clica aí…

Negro Mesmo

Foto em preto e branco é isso aí. E o branco, no caso, é o Paulinho Albuquerque. Isso foi em 1983, durante as gravações de um disco do Nei Lopes, produzido pelo Paulinho. A foto é de Mello Menezes, que também fez a capa do LP. Nei Lopes confirma e esclarece:

” A foto foi feita em 1983, durante as gravações do meu disco Negro Mesmo, no Estúdio Rancho, em Higienópolis, ao lado da hoje famosa Favela de Manguinhos. Os músicos são, da esquerda para a direita: Caboclinho (atabaques), Agenor Mendes (pandeiro), Nelsinho do Balanço, também conhecido como Nelsinho Suave (percussão, ex-Grupo Abolição, de Dom Salvador), Almir Santana (violão e cavaquinho) , Dairzinho (meu sobrinho, já falecido: cavaco e baixo elétrico) e Ovídio Brito (o maior cuiqueiro do Brasil) “.

E vocês vão ouvir agora uma faixa desse disco de música negra mesmo : Tia Eulália na Xiba, de Nei Lopes e Claudio Jorge. Com Cleber Augusto e Almir Santana nos violões, Dairzinho no cavaco, Agenor no surdo, Ovidio Brito no pandeiro, Caboclinho no atabaque, Nelsinho do Balanço, no atabaque e no ganzá e Pirulito nas claves. No coro: Leonardo Bruno, Vânia Ferreira, Francinete, Cleber Augusto e Zeca Lopes.