Não era ginecologista mas dava uns toques…

Reinaldo

Na foto de Klaus Denecke Rabello, o contrabaixo. Por incrível que pareça, muita gente insiste em chamar esse instrumento de violoncelo. Ele fica muito puto com isso...

Um lance que sempre gosto de lembrar para mim mesmo aconteceu na gravação da música Caldo Verde, do Casseta & Planetaproduzida pelo Paulinho, é claro. Graças a ele pude estar na mesma faixa que Sivuca, no acordeon e Marcos Suzano, na percussão. Pena que não foi ao vivo, com todos ao mesmo tempo. Por motivos de agenda, Sivuca e Suzano tocaram num dia e nós no outro. Eu toquei o baixo sobre a base que eles tinham gravado antes. Quando estávamos ouvindo o resultado, na mixagem, fiquei insistindo com o técnico de gravação, o Denilson Campos, para fazer o som do meu baixo elétrico fretless (sem trastes, aquele do Jaco Pastorius) ficar parecido com o som de um contrabaixo de verdade, o acústico. Paulinho me lançou um olhar do tipo “Se fudeu, mané!” e disse : “Se você quer som de contrabaixo de verdade só tem um jeito: vamos ter que chamar o Jorge Helder !” (Jorge Helder era o excelente contrabaixista com quem o Paulinho estava fazendo vários trabalhos naquela época… e hoje pode ser visto em turnê com o Chico Buarque). Foi a partir daí, com o Paulinho me chamando na chincha, me dando esse toque com aquele seu humor sacana, é que eu comecei a criar coragem para encarar o contrabaixo, coisa que eu achava uma missão impossível…

Anúncios

Com vocês, Casseta & Planeta…

Aqui quem fala é o DJ Reinaldo e vocês vão ouvir agora mais uma faixa produzida pelo Paulinho Albuquerque…Essa está no CD The Bost of Casseta & Planeta e se chama Caldo Verde. É uma linda toada ecologicamente incorreta de autoria de Bussunda, Claudio Manoel, Beto Silva e Mu Chebabi. A canção é interpretada por Hubert e Marcelo Madureira (que atualmente poderiam até formar uma dupla sertaneja: “Agamenon e Jacinto Leite Aquino Rêgo”). O arranjo é de Mu Chebabi e Itamar Assiere e conta com as participações SUPER ESPECIAIS de Sivuca (acordeon) e Marcos Suzano (percussão). No teclado, Itamar Assiere, no violão Mu Chebabi e, no baixo, este DJ que vos fala… Observem o contraste entre a belíssima melodia e a letra, que deixa qualquer Al Gore ou Marina Silva de cabelo em pé…